sábado, 5 de dezembro de 2009

- Valéria, cá está o tão cobrado texto. Foi uma satisfação inenarrável concluir essa encomenda pra você. Ainda tenho que clamar por um comentário?? hahaha

*


Vá. Pode ir. Mas vá mesmo. Vá e não volte. Porque volta é para quem não vai, e eu fui. Mas você insiste em ficar. Então fique, porque eu...Eu já estou indo.
A verdade é que você nunca veio, e fui boba em pensar que sim. Mas se não veio, por que me pede pra voltar?
Muito estranho isso. De pedir. Estranho mesmo. O que não quer dizer que quero que fique. Vá. Pode partir.
Não se preocupe, estou bem. A noite está escura, mas eu estou bem. O que não quer dizer que não sinto.
Sinto. Mas, sinceramente, desejo com todas as forças não sentir. Minto.
Desejo sentir sim. Mas não por você. Nem você.
Céus, já estou sensível até demais! Até tua respiração me incomoda. Não respire. Só inspire. Inspire.
A verdade é que eu queria esquecer que sei sentir. Esquecer como se sente. A gente sente quando esquece?
Não responda. Pedi pra você não respirar. Não inspire mais. O ruído do teu inspirar dói. Tudo tem cheiro, sabor, som de ausência. Até o vento me espanca. Também dói.
Já disse para ir. É por ali. É só seguir.
Vá. Mas sem suspirar. Nem se mexa. Meus olhos agora nem vão piscar.O teu último retrato eu vou guardar. E nem quero olhar. É só pra lembrar. Não é pra voltar.
Eu nem vou te procurar, faça o favor de fazer o mesmo. Pedir é desnecessário. O gosto traiçoeiro das minhas lágrimas que fizeste-me derramar, também são. Já és o avesso do que eu tinha como ideal pra sentir. Procuro não te sentir. E sem respirar, eu mato você aqui, bem aqui. Dentro de mim.


6 comentários:

Algumas poucas palavras... disse...

Valéria tem razão em cobrar ...é um bom texto !

=*

haiane disse...

- esse texto é muiito comoveeente ! mas desculpe Bruna Trindade .. eu não vou embora sem antes deixar as minhas marcas em sua vida ! vc é muiito importante pra mim (:

Bruna Trindade disse...

Amiiiiiiiiiiiiiga(saltinhos, risinhos e abracinhos..), você também é muito importante pra mim!

Deus abençoe muito você, côsa fofa da tiia!!

E volte sempre aqui..:)

Valéria Léo disse...

Lembrei dessa musica de J. E P. Garfunkel("Não vale apena"). No final do seu texto então, putz! lembrei na hora, é assim:

"Cutucando, relembrando, reabrindo
A mesma velha ferida
E é pra não ter recaída
Que não me deixo esquecer

Que é uma pena
Mas você não vale a pena"

Eu adoro essa musica, é interpretada por Maria Rita, se tiver afim de ouvir recomendo é linda!.Voltando...assim como na canção,seu texto deixa o sentimento tão transparente, tão nu, que chega dar calafrios em pensar nessa situação,(afinal matar alguém pouco a pouco não é facil), principalmente se esse sentimento faz parte de você.


Bruna, mais uma vez você botou pra lá!.Parabéns e valeu!

Beijo!

Liliane disse...

Bruna!
Que texto forte!
"Já és o avesso do que eu tinha como ideal pra sentir. Procuro não te sentir. E sem respirar, eu mato você aqui, bem aqui. Dentro de mim."

Gostei muito dessa parte.Dizem que o amor é irmão do ódio,eu não diria irmão,mas um primo de segundo grau quem sabe!

Muy bien!

Bruna Trindade disse...

Obrigada, Val!

Mas só uma coisinha: eu só escuto o que me edifica espiritualmente! Porém, agradeço a sugestão, ok?!